Árvores nas cidades

Importância das árvores para o ambiente urbano foi o tema do debate no programa Capital Natural, com participação de pesquisadora do IPT

Árvores são vitais para a qualidade de vida nos centros urbanos, pois atuam diretamente sobre a melhoria da qualidade do clima, do ar e da paisagem. Mesmo assim, as árvores são muitas vezes maltratadas e mal vistas por parte da população das cidades, que muitas vezes as enxergam como fontes de transtornos, principalmente nas épocas de chuva.

Árvores são muitas vezes vistas pela população como fontes de transtornos, principalmente nas épocas de chuvas – este foi um dos temas discutidos no programa

O programa Capital Natural exibido pela Bandnews no dia 4 de fevereiro buscou desmistificar estas visões e mostrar a importância das árvores no ambiente urbano.

Os dois convidados foram o botânico e ambientalista Ricardo Cardim, criador do projeto Florestas de Bolso, e a engenheira agrônoma Raquel Amaral, pesquisadora do Laboratório de Árvores, Madeiras e Móveis do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). (Fonte IPT)

Confira abaixo o programa na íntegra:

Redução de risco de desastres é tema de livro

Para fornecer subsídios à discussão da gestão de riscos e desastres ambientais, um livro editado pela Casa Militar e pela Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil de São Paulo acaba de ser lançado sob o tema ‘Redução de risco de desastres: uma construção da resiliência local’. Quinze capítulos do livro discutem os cenários diferenciados de vulnerabilidade do Brasil e da América Latina em relação aos seus aspectos geográficos, socioeconômicos, culturais e técnico-científicos, dois deles escritos com participação de geólogos do Centro de Tecnologias Geoambientais do IPT.

Livro apresenta uma visão prática e simplificada de como os conhecimentos sobre a gestão de riscos e desastres podem auxiliar na prevenção e redução de seus efeitos.

A construção da resiliência municipal é um ponto fundamental no processo de redução de risco de desastres, e essa obra lança luz sobre importantes áreas a serem exploradas pelos gestores públicos na implantação efetiva das políticas públicas de proteção e defesa civil no País.

Escrito em parceria pelo pesquisador do IPT Marcelo Gramani e pela geóloga do Instituto Geológico, Lidia Keiko Tominaga, o capítulo 5 do livro trata da identificação e mapeamento de áreas de risco de desastres naturais. Os dois autores apresentam os conceitos básicos e as análises relacionadas ao perigo e ao risco, e métodos de avaliação e mapeamentos de risco a deslizamentos e inundação aplicados no estado de São Paulo e no País.