Secretária de Educação do município acompanha atividade do PDCE

A secretária municipal de Educação, Paloma Modesto, visitou nesta sexta-feira (02/06) a Escola Hildete Bahia, em Pernambués, onde acompanhou as atividades do Projeto Defesa Civil nas Escolas (PDCE), da Codesal.

No local, os alunos, que participaram dos módulos que integram o projeto, realizavam uma revisão de todo o conteúdo que inclui conhecimentos sobre o funcionamento institucional da Defesa Civil, percepção de risco, primeiros socorros e educação ambiental, entre outros.

“Fico muito feliz em ver o resultado positivo da parceria com a Codesal”, afirmou a secretária.  O PDCE tem como objetivo preparar os alunos para atuarem como agentes de informação, ampliando a circulação de conhecimentos sobre as ações preventivas da Defesa Civil.

Na foto, a secretária Paloma Modesto (de blusa vermelha listrada), ao lado da subcoordenadora de Ações Comunitárias e Educativas, Kelly Morais, e do chefe do setor de Ações Educativas, Milton Nascimento, fala para alunos e professores

Bom Juá tem atividade de educação em saúde

As atividades de educação em saúde estimulam a prevenção de doenças, a promoção da saúde e o engajamento da população em assuntos relacionados à questão da qualidade de vida por meio de ações educativas. Com este foco a Defesa Civil de Salvador (Codesal), em parceria com a Universidade Federal da Bahia (UFBA), tem realizado atividades nas comunidades localizadas em áreas de risco da capital.

A mais recente ocorreu na comunidade de Marotinho, em Bom Juá, dia 29/05, quando técnicos da Escola de Enfermagem da UFBA falaram sobre a prevenção de acidentes e doenças do coração, seguida da medição da pressão arterial e do índice glicêmico. A ação, promovida pela Codesal, visa fortalecer vínculos com o Núcleo Comunitário de Proteção e Defesa Civil (NUPDEC) já formado naquela região.

MEMÓRIA

Entre os vídeos apresentados nas certificações de voluntários dos Núcleos Comunitários de Proteção e Defesa Civil (NUPDECs) realizada na sedo do IPS, em 10/06/2016, destacamos aqui o da  comunidade de Marotinho em Bom Juá.

Esses vídeos têm tido ampla aceitação dos participantes que se sentem recompensados e valorizados como protagonistas das ações da Defesa Civil. Vale a pena lembrar. O vídeo pode ser visto no YouTube, canal Codesal Imprensa.

 

Educação para a saúde mobiliza São Cipriano

Visando estreitar vínculos, atividades de educação para a saúde vêm sendo promovidas nas localidades onde a Defesa Civil de Salvador (Codesal) já formou Núcleos Comunitários de Proteção e Defesa Civil (Nupdec).

Educar para a saúde consiste em apresentar conhecimentos, atitudes e valores que ajudem o indivíduo a fazer opções e a tomar decisões adequadas à sua saúde e ao bem-estar físico, social e mental, bem como a saúde dos que os rodeiam, conferindo-lhe assim um papel interventivo, explica a técnica da Escola de Enfermagem da UFBA, Marcia Carneiro, que realizou palestra, dia 22/05, na comunidade de São Cipriano (fotos ao lado), em Nova Brasilia (Estrada Velha do Aeroporto).

Na oportunidade foram apresentadas Informações sobre a prevenção de acidentes e doenças do coração, seguidas de medição da pressão arterial e do índice glicêmico dos participantes.

 

Somos a Codesal: Pedro Oliveira

“Gosto da natureza; de aceitar os
desafios que ela impõe ao homem”

Com longa experiência em sua carreira de Geólogo, formado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 1996, Pedro Oliveira começou sua vida profissional na Defesa Civil de Salvador pouco depois de sua formatura onde ficou por cerca de um ano. Em seguida atuou, na área de Geologia Ambiental, no Centro de Recursos Ambientais (CRA); na Prefeitura de Lauro de Freitas, no Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) e Derba. Retornou à Codesal por meio do concurso Reda realizado no ano passado. Pedro cursou ainda especialização em Gestão, Perícia e Auditoria Ambiental na Faculdade Oswaldo Cruz no Rio de Janeiro.

Ao falar sobre sua dedicação à geologia ambiental, ele afirma: “Gosto da natureza; de aceitar os desafios que ela impõe ao homem”.

Entre esses desafios que marcaram sua trajetória profissional, ele lembra dos dias chuvosos de 1996, que resultaram no deslizamento de terra e soterramento e morte de várias pessoas na comunidade de Barro Branco, no Retiro. Ao lado de engenheiros, entre os quais o veterano José Roberto Pacheco Casqueiro, ele atuou no acompanhamento e avaliação dos danos causados pelo acidente geológico.

Pedro se recorda ainda de outras experiências que marcaram sua trajetória, a exemplo da ocorrida na BA – 046 em 2013, próximo ao município de Utinga (Chapada Diamantina) onde houve um acidente geológico no acostamento da rodovia, resultando em uma imensa cratera. O acidente foi provocado pelo desmoronamento do teto de uma caverna de rocha calcária que fica sob aquela estrada.

Acidente similar aconteceu na BA-122 na localidade de Carne Assada, município de Iraquara. Em ambos os casos, procedeu a avaliação e levantamento geofísico daquelas regiões. Ele lembra que o estrago promovido nas rodovias pareciam crateras resultantes da queda de meteoros.

FALHAS GEOLÓGICAS

Cidade acidentada por falhas geológicas, Salvador abriga inúmeras áreas de riscos nas encostas passíveis de acidentes, a exemplo de deslizamentos e alagamentos. Nesta atual fase na Defesa Civil, Pedro integra a equipe de trabalho formada, pelo geólogo Paulo Roberto Correia de Lima, e pelo técnico em edificações, Tiago Matos Brito, na produção de mapas diagnósticos dessas áreas e na indicação de intervenções emergenciais que possam prevenir possíveis ocorrências.

Como parte de suas atividades no Setor de Monitoramento de Riscos em Encostas, ele também elabora relatórios de inspeção com a identificação de pontos críticos nas áreas de riscos geológicos, a exemplo das que oferecem possibilidades a alagamentos, e deslizamentos, deixando imóveis vulneráveis. Com a elaboração do diagnóstico das áreas, é gerado também, os mapas de intervenções emergências e de risco, confeccionado a partir da definição de poligonais, registrando setores de maior vulnerabilidade e suscetibilidade a riscos geológicos. Inclui o levantamento de itens como o número de deslizamentos registrados na área, que auxiliam na elaboração de uma cartografia de intervenções emergências. Atualmente, revela o geólogo, o setor se prepara para monitorar áreas já mapeadas.

“Salvador é uma cidade com relevo proeminente, alto índice pluviométrico e ocupação desordenada. Nosso trabalho, é estudar o que acontece nas áreas críticas, registrar os eventos, para uma representação cartográfica e propor diagnósticos e intervenções emergenciais ao poder público”, resume.

 

Alunos da Escola Hildete Bahia aprendem sobre Primeiros Socorros

O Projeto de Defesa Civil nas Escolas (PDCE) da Codesal  realizou nesta segunda-feira (29/05) novo encontro na Escola Municipal Hildete Bahia, em Pernambués, quando foi apresentado o módulo sobre primeiros socorros em situações de emergências.

As instruções foram passadas por integrante do Corpo de Bombeiros de Salvador para que os jovens saibam  agir de forma apropriada no auxílio às vítimas até o acesso ao atendimento especializado.

Primeiros socorros são os procedimentos adotados, antes da chegada do médico, de profissional qualificado da área de saúde ou da ambulância, quando uma pessoa é vítima de qualquer acidente ou mal súbito.

Anualmente, milhares de pessoas se acidentam nas ruas, rodovias ou em casa. Geralmente, são quedas, queimaduras, envenenamentos, cortes, choques, exigindo, na maioria das vezes, socorro imediato.

O socorro à vítima consiste sempre em:

1 – Reconhecer que se trata de urgência;
2 – Chamar o serviço médico /Samu;
3 – Atuar conforme o seu conhecimento;
4 – Assistir a vítima até que chegue o socorro médico.

Módulos do PDCE são revisados na Escola Ernesto Mourão de Sá

Alunos da Escola Municipal Ernesto Mourão de Sá, em Paripe, participaram na manhã desta segunda-feira (29/05) de uma revisão geral dos módulos do Projeto de Defesa Civil nas Escolas (PDCE) apresentado nas últimas semanas.

Elaborado por técnicos da Defesa  Civil de Salvador (Codesal),  o PDCE tem o objetivo de capacitar jovens matriculados na rede municipal de ensino e que vivem em áreas de encostas com noções básicas de percepção de risco, educação ambiental e primeiros socorros.

Segundo o chefe do setor de ações educativas da Codesal, Milton Nascimento, os alunos são agentes multiplicadores. “É impressionante como as crianças aprendem rápido e levam o que ensinamos para casa e para os amigos. Eles inclusive orientam os pais e mostram como agir corretamente”.

Veja fotos das atividades:

Codesal e CCZ realizam atividade na Escola Helena Magalhães

O Programa Defesa Civil nas Escolas (PDCE) vem gerando bons frutos e multiplica o trabalho preventivo feito pela Defesa Civil de Salvador (Codesal) nas áreas de risco da capital.

Hoje, 25/05,  foi a vez dos alunos da Escola Municipal Helena Magalhães (Boa Vista de São Caetano) participarem das atividades desenvolvidas em parceira com técnicos do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) que apresentaram palestra sobre a prevenção da dengue e da leptospirose.

O PDCE visa estimular a mudança de hábitos e comportamento dos jovens, buscando criar uma cultura socioambiental para a preservação do meio em que vivem e construir processo participativo na gestão dos riscos.

Vejam as fotos:

Conheça a Codesal: A TI é hoje o coração da empresa

PERFIL – Carleosmar de Jesus

Quando concluía o ensino médio, Carlinhos, como é conhecido na Codesal, onde trabalha desde de julho do ano passado, aproveitou a oportunidade de fazer um curso de suporte em TI oferecido pelo Programa de Aprendizado Jovem (Proaj) da Secretaria estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI), realizado em parceria com o SENAI.

Fez a prova de seleção e foi aprovado. O curso, segundo ele, tinha caráter interdisciplinar e passava por conceitos em Tecnologia da Informação, Fundamentos de Rede de Computadores, Manutenção, entre outras disciplinas.

O curso abriu novas janelas e possibilidades para Carlinhos que, logo após concluí-lo, decidiu se matricular em um novo curso na área voltada às redes de computadores no Senai de Lauro de Freitas. As disciplinas o ajudaram a ampliar seus conhecimentos sobre manutenção e configuração de computadores, roteadores, instalação de servidores, cabeamento estruturado, entre outros.

Dividindo com Lucas o serviço de suporte em TI da Codesal, ele avalia que “o principal responsável pela segurança da rede é o usuário e não o antivírus”.

Quando finalizava o curso no Senai surgiu a oportunidade de atuar no Núcleo de Tecnologia da Informação da Defesa Civil, atividade que tornou a sua primeira experiência de trabalho. A trajetória de quase um ano ele define de forma positiva:

“Aprendi a lidar melhor com as pessoas e também descobri alguns programas e ferramentas. A convivência também é ótima com o pessoal do setor”.

“Nosso núcleo presta assistência a todo o órgão; é como se fosse o coração da empresa”, explica Carlinhos, referindo-se ao fato de que modernamente todo o fluxo de trabalho de um órgão depende dos computadores.

Ele revela que seu projeto a curto prazo é fazer um curso de Tecnologia de Redes “para me aperfeiçoar”. Nascido em Valença, nos instantes que está fora do trabalho não dispensa uma boa partida de futebol ou ir ao teatro ou a igreja.