em Codesal, Comunidade, Defesa Civil, educação em saúde

Comunidade de Novo Horizonte tem palestra sobre o Setembro Amarelo

“Sei que é difícil, mas estou aqui para ajudar”, “Vejo que você não está bem”. Algumas frases são tão simples, mas fazem tanta diferença que nos perguntamos por que não falamos mais vezes aos nossos amigos, familiares e conhecidos.

Setembro é o mês de falar sobre a prevenção do suicídio e estas frases servem de exemplos de como podemos lidar com alguém que tem depressão, a maior causa de morte de quem tira a própria vida. Neste ano, a campanha Setembro Amarelo defende que “Falar é a melhor solução”.

Este tema e informações sobre o câncer de mama,  foco da campanha Outubro Rosa, foram abordados nesta terça-feira (26/09) na segunda reunião para a formação do Núcleo Comunitário de Proteção e Defesa Civil (Nupdec) na comunidade de Novo Horizonte II,  bairro de Sussuarana, promovida pela Defesa Civil de Salvador (Codesal).

A tematica foi conduzida pela assistente social da Codesal, Juçara Pereira, tendo como facilitadora Elaine Portela, estagiária de serviço social.

CONSCIENTIZAÇÃO

“O Setembro Amarelo é abordado neste módulo do Nupdec com intuito de conscientizar e alertar a população a respeito da realidade do suicídio no Brasil. Buscamos promover uma reflexão sobre como estamos lidando com nossas dores e emoções e o quanto valorizamos a vida, nossa e dos outros”, explica a subcoordenadora de Ações Comunitárias e Educativas da Codesal, Kelly Morais.

Ela destaca que falar sobre a depressão e estar informado sobre ela encoraja a buscar ajuda e tratamento especializado.

Falar sobre suicídio é oferecer ajuda

Não dá para ignorar. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), 804 mil pessoas se matam por ano, em todo o mundo. Isso representa quase uma morte a cada 40 segundos – e, para cada dez suicídios reportados, aconteceram de 40 a 60 tentativas. Falar sobre isso já é uma forma de mostrar que a sociedade não dá as costas para os problemas das pessoas. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes:  CVV (Centro de Valorização da Vida) e Vix